Universidade Federal de Minas Gerais

Escola de Engenharia

Departamento de Engenharia de Materiais e Construção

Curso de Especialização em Construção Civil

 

 
 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Monografia

 

 

 

 

 

 

“O USO DAS TINTAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL”

 

 

 

 

 

Autor: Adriana de Andrade Freire

 

Orientador: Professor Dalmo Lúcio M. Figueiredo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Janeiro / 2006

 

 

ADRIANA DE ANDRADE FREIRE

 

 

 

 

 

 

“O USO DAS TINTAS NA CONSTRUÇÃO CIVIL”

 

 

 

 

 

 

Monografia apresentada ao Curso de especialização em Construção Civil da Escola de Engenharia da UFMG

 

 

 

 

 

 

Ênfase: Tecnologia e Produtividade das Construções

 

Orientador: Professor Dalmo Lúcio M. Figueiredo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Belo Horizonte

 

Escola de Engenharia da UFMG

 

Janeiro / 2006

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

                                           Ofereço este trabalho

aos meus grandes e eternos amores:

meu pai que esteve presente em espírito,

minha querida mãe que sempre nos deu a mão

        e recentemente nos deixou

              e ao meu irmão,

                    que acompanha a minha caminhada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Agradeço à Deus,

aos meus queridos professores,

 ao meu orientador Prof Dalmo,

 às minhas queridas amigas e colegas de curso.

 

SUMÁRIO

 

RESUMO                                                                                                                09

 

1.                 INTRODUÇÃO                                                                                          10

1.1   BREVE HISTÓRICO                                                                               10

 

2.                 OBJETIVO                                                                                                 11

 

3.         CONCEITUAÇÃO                                                                                     12

3.1  DEFINIÇÃO                                                                                             12

3.2 COMPOSIÇÃO                                                                                        12

 VEÍCULOS                                                                                       13

ADITIVOS                                                                                          14

PIGMENTOS                                                                                     18

3.3 TIPOS                                                                                                       22

3.4 SUPERFÍCIES                                                                                        23

3.5 PRINCIPAIS TINTAS                                                                             24

LÁTEX PVA – (ACETATO DE POLIVINILA)                               24

ACRÍLICA                                                                                           25

ESMALTES / ÓLEOS                                                                       26

VERNIZES                                                                                         27

FUNDOS                                                                                             29

TINTAS ESPECIAIS E OU DIFERENCIADAS                            31

3.6 PATOLOGIAS                                                                                         33

CALCINAÇÃO                                                                                   34

EFLORESCÊNCIA                                                                           35

DESAGREGAMENTO                                                                                 35

SAPONIFICAÇÃO                                                                            35

MANCHAS OCASIONADAS POR PINGOS DE CHUVA                      36

FISSURAS                                                                                         36

DESCASCAMENTO                                                                        36

BOLHAS                                                                                             36

BOLHAS NA REPINTURA                                                             37

MANCHAS AMARELADAS                                                            37

MANCHAS E RETARDAMENTO DE SECAGEM EM PINTURA OU ENVERNIZAMENTO DE MADEIRAS                                        37

TRINCAS E MÁA ADERENCIA EM MDEIRAS                           37

ESCORRIMENTO                                                                             38

SECAGEM DEFICIENTE                                                                38

ENRUGAMENTO                                                                              38

MOFO                                                                                                  38

 

4.         METODOLOGIA DE EXECUÇÃO                                                         39

4.1 PREPARO DE SUPERFÍCIE                                                                39

4.2 SISTEMAS DE PINTURA                                                                      46

       PRINCIPAIS SISTEMAS                                                                           47

ALVENARIA CONCRETO E ARGAMASSA CURADA              47

SUPERFÍCIES DE MADEIRA COM ACABAMENTO                 61

ACABAMENTO COM ENVERNIZAMENTO                                 65

ACABAMENTO COM ENCERAMENTO                                       73

SUPERFÍCIES DE FERRO E AÇO                                                73

SUPERFÍCIES DE METAIS GALVANIZADOS                            75

SUPERFÍCIES DE METAIS DE ALUMÍNIO                                 76

SUPERFÍCIES DE CONCRETO APARENTE                             77

PEDRAS, ALVENARIA APARENTE E CERÂMICA                   77

SUPERFÍCIES DE GESSO                                                             78

SUPERFÍCIES DE CIMENTO AMIANTO                                      80

SUPERFÍCIES DE PISOS, QUADRAS,

PÁTIOS E ESTACIONAMENTOS                                                  81

4.3 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES                                                      82

PRAZO DE VALIDADE                                                                    82

INFORMAÇÕES CONTIDAS NAS EMBALAGENS                   82

ESTABILIDADE DAS TINTAS                                                        83

TEMPO DE SECAGEM                                                                    83

EQUIPAMENTOS PARA OS SERVIÇOS DE PINTURA                       83

 

5. O SENTIDO DAS CORES                                                                              86

5.1 CROMOTERAPIA                                                                                              86

FUNDAMENTOS CIENTÍFICOS                                                    87

5.2    PERSEPÇÃO E SENSAÇÃO VISUAL                                             88

5.3    O EFEITO E O SENTIDO DE CADA COR                                        89

O VERMELHO                                                                                   91

O AZUL                                                                                                92

O AMARELO                                                                                      93

O LARANJA                                                                                       94

O VERDE                                                                                            94

O VIOLETA                                                                                         95

O PRETO, BRANCO E CINZA                                                        96

OS METÁLICOS E PEROLADOS                                                  97

5.4 OS AMBIENTES E SUAS CORES                                                     97

 

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS                                                             100

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

RESUMO

 

Este trabalho se propõe a identificar as tintas em geral e sua aplicação em obras civis tanto internamente quanto em áreas externas e apresentar a influência da cor sobre os seres humanos.

 

O assunto passou pelo âmbito funcional chegando ao estético, já que a especificação do correto tipo de tinta a ser utilizado é tão importante quanto a indicação da cor adequada para cada uso. Tanto a escolha do tipo quanto da cor inadequada podem causar sérios problemas e um deles é o desperdício, o retrabalho e a insatisfação dos clientes e usuários.

 

Foi realizada uma revisão bibliográfica, com a finalidade de se analisar a conceituação, a utilização das tintas em geral e com isso fundamentar o relatório acerca desses fatores.

 

Posteriormente, através do levantamento da conceituação de tintas e sua utilização foi indicado o estudo da influência da cor sobre o usuário, tornando este trabalho mais completo e assim com maiores informações para o profissional que pretende desenvolver o trabalho de especificação de tintas.

 

Pode-se concluir que a má especificação do tipo de tinta e a escolha da cor inadequada trazem problemas, que exigem o retrabalho e desta maneira fazem com que aconteça o desperdício e a insatisfação do cliente. É possível se evitar as patologias, o desperdício e a insatisfação do cliente com a boa especificação e a aplicação adequada de cada tipo de tinta, observando-se sempre as especificações do fabricante e a contratação de mão de obra qualificada.

 

 

 

 

 

1.                 INTRODUÇÃO

 

   Na construção civil a pintura representa uma operação de grande importância, uma vez que as áreas pintadas são, normalmente, muito extensas, implicando num alto custo. Há uma tendência natural em considerar a pintura uma operação de decoração, porém, além de decorar e proteger o substrato, a tinta pode oferecer melhor higienização dos ambientes, servindo também para sinalizar, identificar, isolar termicamente, controlar luminosidade e podendo ainda ter suas cores utilizadas para influir psicologicamente sobre as pessoas.

 

1.1      BREVE HISTÓRICO

 

As primeiras tintas fabricadas pelo homem foram aquelas feitas para a escrita, que foram compostas desde a mais remota antiguidade.

 

Os arqueólogos têm descoberto desenhos em cavernas e gravuras sobre rochas que datam de antes da última Era Glacial. Alguns desses desenhos foram feitos em monocromia, com Óxido de Ferro natural ou ocre vermelho. Outros artistas paleolíticos usavam um conjunto de matérias que consistia de cal, carvão, ocre, vermelho ou amarelo e terra verde.

 

Algumas descobertas no deserto da Líbia, revelaram um tipo de desenho que seria utilizado, muitos anos depois, pelos egípcios. Ele teria dado origem ao sistema de hieróglifos, e depois, ao alfabeto fenício. Este tipo de desenho e sua técnica, de uma forma geral, ainda são empregados por várias tribos do centro da África. No Oriente, o homem desenvolveu lápis coloridos com propósitos decorativos por volta de 4000 AC, feitos pela mistura de pigmentos com Caulim.

 

Os materiais utilizados pelos gregos e romanos eram similares àqueles empregados pelos egípcios. Cola e albumina de ovo era usada como ligantes.

Também a Civilização bizantina usava albumina de ovo, o que acarretou o tradicional uso deste ligante pelos italianos durante o século XIV.

 

Tanto os antigos chineses quanto os japoneses utilizavam uma série de pigmentos para a preparação de suas cores, tais como Azurita, Carbonato básico de cobre, Malaquita, Azul Ultramarino, Zarcão (vermelho de chumbo), Litargírio, Caulium, Negro de Fumo, pó de ouro e outros provenientes de plantas da região.

 

A tinta se desenvolveu muito a partir do século XX, com o aparecimento de vários aglutinantes, tais como:

as resinas fenólicas em 1910-1919, as resinas alquídicas em 1920-1922,

as resinas vinílicas e de acrilato em 1925-1931, a etil-celulose e poliestireno em 1932-1937, as resinas de nylon, poliuretano, melamina em 1938-1943, as resinas de poliéster, epóxi e silicânicos em 1943-1951.

E assim, nos dias de hoje, os tipos de tintas tem se desenvolvido e se tornado cada vez mais eficientes e específicos para atender às necessidades do mundo contemporâneo, tendo como exemplo a tinta antI pichação.

 

2.                 OBJETIVO

 

O trabalho em questão além de citar os tipos de tintas e suas variadas formas de aplicação, cita também as cores e a influencia desta sobre o ser humano.

Desta maneira mostra que para se ter um bom trabalho com a utilização das tintas na construção civil, é importante fazer a escolha adequada do tipo e da cor da tinta a ser utilizada. Isto não só para se ter uma aplicação e uma durabilidade esperada, mas também para se ter o bem estar do ser humano.

 

Este trabalho tem como objetivo auxiliar os profissionais nos projetos de especificação de tintas e serviços relacionados à pintura na construção civil.

 

 

 

3.         CONCEITUAÇÃO

 

3.1 DEFINIÇÃO

 

Tinta é um composto na forma líquida, aquosa ou em gel, que quando aplicado sobre uma superfície, forma um filme transparente ou opaco, aderente ao substrato e flexível, com finalidade de proteger e decorar a superfície e proporcionar uma melhor qualidade de vida aos ambientes construídos.

 

3.2 COMPOSIÇÃO

 

A composição básica das tintas é formada pela resina, pigmentos, solvente e aditivos, que funcionam da seguinte maneira:

 

  • Resina

 

 A resina é responsável pela fixação da tinta no local onde esta é aplicada. Ao fazer uma analogia com o concreto, a resina em relação à tinta, tem a mesma função do aglomerante.

 

A tinta tem como veículo as resinas;

 

  • Pigmentos

 

 Os pigmentos são responsáveis pela cobertura, rendimento, coloração e volume;

 

  • Solvente

 

O Solvente é responsável pela solubilização dos componentes, pela viscosidade e pelo tempo de secagem das tintas;

 

  • Aditivos

 

Os aditivos são responsáveis pela correção e melhoria das tintas proporcionando características especiais a esta. Os aditivos atuam na condição de produção, armazenamento, aplicação e vários outros, os quais serão citados a seguir.

 

 VEÍCULOS

 

Os veículos que são também as resinas são a parte líquida das tintas, onde a pigmentação está dispersa. Temos alguns tipos de veículos listados a seguir:

 

Veículo não-volátil - VNV:

 

Este veículo é constituído pelas resinas que formam a sua parte sólida. É o responsável pela formação da película, aglutinando pigmentos e impermeabilizando superfícies.

 

Veículo Conversível - VC:

 

Este é o veículo onde a formação de película ocorre com transformações físico-quimicas na estrutura.

 

Veículo Inconversível - VI:

 

Este é o veículo onde a formação da película dá-se apenas pela evaporação de solventes, sem modificação estrutural.

 

 

 

 

 

Veículo Volátil – VV:

 

Este veículo é responsável pela solubilização e abaixamento de viscosidade dos VNV, pelo controle da velocidade de polimerização e facilitador da aplicação. Os veículos são os solventes.

 

 ADITIVOS

 

Os aditivos são compostos, que quando incorporados às tintas, melhoram ou conferem à película qualidades desejadas. Os aditivos compreendem os seguintes grupos:

 

Anti-sedimentantes;

 

Secantes;

 

Plastificantes;

 

Antioxidantes;

 

Dispersantes;

 

Fungicidas e bactericidas;

 

Antiespumantes;

 

Anti-flotantes;

 

Alastrantes;

 

Controladores de viscosidade.

 

Abaixo é apresentado uma lista de aditivos usada na manufatura de tintas à base de água, e uma descrição de como cada aditivo afeta as propriedades das tintas.
 

Espessantes e Modificadores de Reologia:

 

A Reologia é a ciência que estuda como um líquido escoa. A seguir apresentam-se algumas características de espessantes e modificadores de reologia:

 

  • Fornecem a viscosidade apropriada, para que a tinta possa ser aplicada adequadamente;

 

  • Influenciam a espessura do filme e sua fluidez quando aplicado.

 

Os modernos modificadores de reologia ajudam as tintas à base de água a:

 

·        Respingar menos quando aplicadas por um rolo;

 

·        Fluírem mais suavemente;

 

·        Ter uma vida útil maior.

 

Os espessantes de gerações mais antigas, como os de origem natural, são mais sensíveis à deterioração, reduzem a viscosidade e podem conferir mau odor à tinta.
 

 

Surfactantes: (sabões especiais)

 

Este tipo de aditivo possui as seguintes características:

 

·        Estabiliza a tinta de forma que seus componentes não se separem ou que se torne muito espessa para ser usada;

 

·        Mantém os pigmentos dispersos para brilho e cobertura;

 

·        Ajudam a "umedecer" a superfície que está sendo pintada para que a tinta não se movimente ao ser aplicada;

 

·        Proporcionam compatibilidade entre corantes de forma que a cor correta seja obtida e não se altere ao ser aplicada.
 

Biocidas:

 

Este tipo de aditivo também é conhecido como conservante, pois ajuda a proteger as tintas de microorganismos indesejáveis para a conservação das mesmas.

 

Há dois tipos principais de biocidas que são usados em tintas à base de água que são eles:

 

·        Bactericida

 

Este aditivo tem como função é evitar que bactérias cresçam sobre a pintura. Esta substância é especialmente importante para tintas armazenadas em latas constantemente abertas e fechadas, já que pode ocorrer contaminação.

 

·        Fungicida ou algicida

 

Este aditivo desestimula o crescimento de fungos e algas na superfície da tinta depois de aplicada. É usado, principalmente, em produtos para ambientes externos, e também em tintas destinadas a áreas úmidas como cozinhas e banheiros.
 

Antiespumantes:

 

Os aditivos antiespumantes rompem as bolhas que se formam quando a tinta:

 

·        É misturada na fábrica;

 

·        É colocada no misturador/agitador ou é movimentada;

 

·        É aplicada à superfície, especialmente com o rolo.

 

Co-solventes e Coalescentes:

 

Estes solventes são outros líquidos adicionados além da água e têm as seguintes características:

 

·        Estes aditivos ajudam a tinta líquida não sofrer danos quando congelada;

 

·        Os co-solventes e coalescentes facilitam a pintura a pincel, incluindo o alastramento e o "tempo aberto" (o tempo em que a tinta pode ser aplicada e trabalhada, antes que comece a secar);

 

·        Estes aditivos em geral, são compostos orgânicos voláteis (VOCs);

 

·        Este tipo de aditivo ajuda o ligante a formar um bom filme quando aplicado até a temperatura mínima recomendada.

 

 PIGMENTOS

 

Os pigmentos são sólidos quase totalmente insolúveis, dispersos no veículo.

Muitos pigmentos são usados tanto em tintas à base de água como à base de solventes. Como exemplo, temos o corante que é um pigmento solúvel no veículo.

 

Há duas categorias básicas de pigmentos:
  

 

Pigmentos básicos

 

Os pigmentos básicos são aqueles que proporcionam a brancura e as cores das tintas. Estes componentes são também a principal fonte do poder de cobertura.

 

Dióxido de titânio (TiO2)

 

O dióxido de titânio é o principal pigmento branco e possui as seguintes características:

 

  • Este pigmento proporciona uma melhor brancura ao dispersar a luz.

 

  • É um componente que proporciona brancura e poder de cobertura em tintas foscas e brilhantes, tanto úmidas como secas ou reumedecidas.

 

O uso de um extensor (ou carga) correto garante o espaçamento adequado das partículas de TiO2, e isto serve para evitar o acúmulo e a perda do poder de cobertura, especialmente em tintas foscas ou acetinadas.

 

As tintas para ambientes externos com TiO2 têm maior tendência à calcinação do que a maioria dos pigmentos coloridos.

 

Pigmento polímero esférico opaco

 

O pigmento polímero esférico opaco é o segundo pigmento branco mais usado. Este pigmento é usado em conjunto com o TiO2 para proporcionar dispersão e espaçamento adicionais.

 

  • Este pigmento pode ajudar a reduzir o custo de formulação da tinta e aprimorar certos aspectos referentes á qualidade.

 

Pigmentos coloridos

 

Os pigmentos coloridos proporcionam cor pela absorção seletiva da luz.

 

Os principais tipos de pigmentos coloridos são:

 

Orgânicos

 

Incluem os de cores mais brilhantes, alguns dos quais são bastante duráveis no uso em ambientes externos. Temos como exemplos de pigmentos orgânicos o azul e o amarelo.

 

Inorgânicos

 

Geralmente não são tão brilhantes quanto as cores orgânicas (muitos são descritos como cores terrosas), são os pigmentos para ambientes externos mais duráveis. Os exemplos de pigmentos inorgânicos são o óxido de ferro vermelho, o óxido de ferro marrom e o óxido de ferro amarelo.

 

Os pigmentos coloridos são combinados em dispersões líquidas chamadas corantes, que são adicionadas às bases de pigmentação em mixing machine (máquinas comandadas por computadores, usadas para se obter uma determinada cor) nos pontos de venda. Na fábrica, os pigmentos de cor são usados nas formas de pó seco ou líquido no preparo de tintas pré-embaladas.
 

Pigmentos extendedores (ou "carga”)

 

Este tipo de pigmento proporciona volume a um custo relativamente pequeno, além de oferecerem um poder de cobertura muito menor do que TiO2 e interferirem em diversas características, incluindo brilho, resistência à abrasão e retenção exterior de cor, entre outras.

 

 

Algumas das cargas usadas mais freqüentemente são:

 

Argila

 

Silicatos de alumínio (também chamados de caulim ou argila da China) são usados principalmente em pinturas de ambientes internos, mas também em algumas pinturas em ambientes externos.

Calcinada (aquecida para remover a água e criar ligação entre as partículas e o ar), a argila proporciona maior poder de cobertura que a maioria das cargas em tintas porosas; quando a argila é delaminada é aumentada a resistência à manchas no caso das tintas.

Sílica e silicatos

 

Proporcionam excelente resistência à escovação e à abrasão. Muitos deles têm grande durabilidade em pinturas de ambientes externos.
 

Sílica diatomácea

 

É uma forma de sílica hídrica que consiste em antigos organismos unicelulares fossilizados. É usada para controlar o brilho em tintas e vernizes.
 

Carbonato de cálcio

 

Também chamado de giz, é um pigmento de uso geral, tem baixo custo e reduzido poder de cobertura, usado tanto em tintas para ambientes externos como para as tintas caracterizadas para ambientes internos.
 

Talco:

 

Conhecido como silicato de magnésio, é uma carga de uso geral relativamente macio usado em tintas para ambientes externos e internos.
 

Óxido de zinco

 

É um pigmento reativo muito útil por sua resistência a mofo (bolor), como inibidor de corrosão e bloqueador de manchas. É usado principalmente em fundos e em pinturas de ambientes externos.

 

3.3 TIPOS

 

Ao ter como referencia o solvente, as tintas classificam-se em:

 

  • Base de água;

 

  • Base de solvente – Aromático ou alifático.

 

Quanto à resina, tem-se:

 

  • Base de básica: cal, cimentícios;

 

  • Base de ácidos graxos: acetato de polivinila – PVA;

 

  • Base de acrilatos: acrílicos puros ou associados;

 

  • Base de ácidos: epoxídeos, poliuretanos, alquídeos;

 

Quanto à nomenclatura comercial, as tintas podem ser assim classificadas:

 

  • Látex: PVA, acrílicos puros ou acrílicos associados;

 

  • Alquídeos: óleos ou esmaltes;

 

  • Vernizes: poliuretanos, copal;

 

  • Epóxi: tintas epóxi;

 

  • Especiais: borracha clorada ou lacas;

 

  • Fundos: antioxidantes, nivelantes, fixadores de absorção ou corretivos químicos e físicos.

 

3.4 SUPERFÍCIES

 

Ao ter como objetivo as edificações, se pode considerar as seguintes superfícies:

 

·        Argamassa de cimento e ou cal e alvenaria de tijolos cerâmicos:

 

Principais propriedades químicas: variação volumétrica, porosidade, permeabilidade de meio propício à formação de fungos.

 

·        Madeira:

 

Principais propriedades:

 

Presença de resinas higroscópicas (capacidade rápida de absorção de líquidos) porosidade, variação volumétrica, permeabilidade, meio sujeito a ataque de microorganismo e insetos.

 

·        Metais ferrosos e não ferrosos:

 

o       Ferrosos – principais propriedades: variação volumétrica, corrosão;

 

o       Não ferrosos – principais propriedades: variação volumétrica, corrosão e dificuldade de aderência de revestimentos a base de tinta.

 

3.5 PRINCIPAIS TINTAS

 

É importante conhecer bem os produtos para se fazer uma especificação adequada. A seguir estão listados, os principais e suas aplicações:

 

 látex PVA - (acetato de polivinila)

 

A Tinta Látex possui grande rendimento e durabilidade, proporcionando um acabamento fosco aveludado e garantindo ótimo desempenho nas repinturas. Indicada para pinturas externas e internas sobre superfícies de reboco, massa corrida, massa acrílica, texturas, gesso, madeiras, etc. Sendo as cores desenvolvidas com alta tecnologia, ficando assim, firmes e sólidas.

 

·        O Fundo:

 

o       O Selador PVA pigmentado ou incolor – É aplicado para corrigir a absorção e impedir o sangramento de contaminantes do substrato para o filme;

o       O Fundo preparador de parede (base solvente ou base água) – É aplicado para promover a adequação química (base e ácido), corrigir a pulverulência (agregado miúdo desagregrado do substrato) e a absorção.

 

·        Intermediário

 

o       Massa PVA (massa corrida) – É aplicada para nivelar a superfície, tornando-a suficientementelisa. É adequada somente ao uso interno. Em ambientes externos, está sujeita à solubilização na presença de água, ocasionando o desprendimento do substrato.

 

·        Acabamento

 

o       Tinta PVA – É aplicada para promover o acabamento do sistema de pintura.

 

·        Especiais

 

o       Regulador de brilho – É aplicado para aumentar o brilho da tinta e sua lavabilidade. Será usado somente em ambientes internos; a exposição à forte incidência de raios solares, comum nos ambientes externos, causa seu amarelamento.

 

 acrílica

 

A Tinta Acrílica é indicada para superfícies de alvenaria interna e externa. Possui acabamentos como semibrilho e fosco.

 

Com este tipo de tinta pode-se produzir texturas que são obtidas através de instrumentos específicos como rolos, vassouras, espátulas e outros, para cada tipo de acabamento especificado pelo profissional especializado, que são a ranhura, o vassourado, etc.

 

  • Fundo

 

    • Fundo preparador de parede (base solvente ou base água) – É aplicado para corrigir a alcalinidade, a pulverulência (evita a perda de areia da argamassa) e a absorção do substrato;
    • Selador acrílico – É aplicado para corrigir a alcalinidade e absorção do substrato.

 

  • Intermediário

 

    • Massa acrílica – É aplicada para nivelar a superfície, tornando-a suficientemente lisa. É adequada ao uso interno e externo.

 

  • Acabamento

 

    • Tinta acrílica 100% - É aplicada para promover o acabamento do sistema de pintura. Apresenta maior durabilidade, flexibilidade e resistência a agentes provenientes de intempéries. Indicada para uso interno e especialmente externo.

 

    • Tinta acrílica modificada (a resina é produto composto de resina acrílica associada a uma ou mais resinas) – É aplicada para promover o acabamento do sistema de pintura, sendo indicada para uso interno e especialmente externo.

 

  • Especiais

 

    • Verniz acrílico/solvente água – É aplicado para aumentar o brilho da tinta e a lavabilidade. Pode ser utilizado no interior e no exterior, não apresentando problemas de amarelamento quando exposto a raios solares;

 

    • Tinta texturizada – É aplicada para dar à superfície um acabamento texturizado e corrigir imperfeições do substrato.

 

 esmaltes / óleos

 

Os Esmaltes e óleos são indicados para uso externo e interno.Com acabamentos que variam do brilhante, acetinado ao fosco.

 

A tinta a óleo apresenta boa elasticidade quando aplicada em ambientes externos, sujeitos à ação de raios solares, mas, esta sujeita a modificações em sua aparência. Já a tinta esmalte, por apresentar boa resistência à ação de raios solares, pode ser usada tanto em ambientes internos quanto externos, sem alteração da aparência.

 

  • Fundo

 

    • Fundo branco ou fundo sintético – É aplicado para corrigir a alcalinidade e absorção.

 

  • Intermediário

 

    • Massa óleo ou massa sintética – É aplicada para nivelar a superfície, tornando-a suficientemente lisa.

 

  • Acabamento

 

    • Tinta óleo – É aplicada para promover o acabamento do sistema de pintura;
    • Tinta esmalte sintético – É aplicada para promover o acabamento do sistema de pintura.

 

 vernizes

 

Os Vernizes são aplicados em ambientes externos e internos de madeira. Disponível nos acabamentos brilhante e fosco e nos padrões Mogno, Imbuia, Cedro e Cerejeira e muitas vezes podem possuir filtro solar.

 

Os Vernizes com solventes alifáticos apresentam desempenho superior aos vernizes com solvente aromáticos, devido à sua maior durabilidade e resistência a agentes externos, que são os raios solares, chuvas e etc.

 

Fundo

 

o       Verniz sintético plástico – É aplicado para impedir que a ação de resinas provenientes de madeiras tropicais atuem sobre o filme da tinta. Indicado para madeiras resinosas;

 

o       Preservativos ou fungicidas – São vernizes aplicados para proteção de ataques de microrganismos, cupins e traças.

 

Intermediário

 

o       Como todos os niveladores de superfície, formam um filme opaco, torna-se impróprio seu uso, visto que os vernizes são tintas transparentes e permitem a visualização do substrato.

 

Acabamento

 

o       Verniz poliuretano com filtro solar mono componente fosco e solvente alifático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura, em superfícies externas e internas;

 

o       Verniz poliuretano sem filtro solar mono componente fosco e solvente alifático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura em superfícies internas;

 

o       Verniz poliuretano com filtro solar mono componente brilhante e solvente alifático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura, em superfícies externas e internas;

 

o       Verniz poliuretano sem filtro solar mono componente brilhante e solvente alifático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura em superfícies internas;

 

o       Verniz poliuretano com filtro solar mono componente fosco e solvente aromático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura, em superfícies externas e internas;

 

o       Verniz poliuretano sem filtro solar mono componente fosco e solvente aromático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura em superfícies internas;

 

o       Verniz poliuretano com filtro solar mono componente brilhante e solvente aromático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura, em superfícies externas e internas;

 

o       Verniz poliuretano sem filtro solar mono componente brilhante e solvente aromático – É aplicado como acabamento do sistema de pintura em superfícies internas;

 

o       Verniz poliuretano com filtro solar bi-componente – alifático e aromático – É aplicado em ambientes moderadamente agressivos;

 

o       Verniz poliuretano sem filtro solar bi-componente – alifático e aromático – É aplicado em ambientes moderadamente agressivos. O verniz fosco, sem filtro solar, deverá ser aplicado somente em ambientes internos.

 

o     Vernizes de coloração (Verniz sintético especial / brilhante ou acetinado) - São aplicados como acabamento do sistema de pintura para coloração de madeiras em geral.

 

 fundos

 

Os fundos uniformizam a absorção e aumentam a coesão das superfícies porosas externas e internas, como:

Reboco fraco, concreto novo, pinturas descascadas, paredes caiadas, gesso e cimento-amianto.

 

Fundos especiais

 

o       Fundos aderentes

 

São indicados para promover a aderência entre o substrato e o filme de tinta a ser aplicado sobre ele. As superfícies metálicas não ferrosas são as mais indicadas para a utilização destes fundos. Cada superfície deverá ter seu fundo aderente especificado, em função da composição e tratamento da liga. Os principais fundos aderentes são: fundos para galvanizados (alquídico), metal primer (alquídico modificado), shop primer e wash primer (vinílicos).

 

o       Fundos anticorrosivos

 

São utilizados para inibir a ocorrência de oxidação em superfícies metálicas. Os principais anticorrosivos são: zarcão (uretânico), primer cromato de zinco (fenólico), metal primer (alquídico modificado).

 

o       Fundos para tintas alquídicas e óleos / fundo branco

São utilizados para promover o isolamento e aderência do filme alquídico sobre o substrato.

 

o       Fundo para correção química

 

É aplicado para equilibrar quimicamente os substratos com as tintas. Evita problemas de alcalinidade.

 

o       Fundo preservativo

 

É aplicado em madeiras em geral, sendo indicado para conservação contra ataques de bactérias, fungos, cupins e traças.

 

 Tintas especiais e ou diferenciadas

 

No uso de tintas especiais e ou diferenciadas deverão ser atendidas com veemência as especificações do fabricante. Estas tintas são indicadas para superfícies porosas conferindo-lhe uma completa repelência à água.

 

o     Pintura impermeabilizante;

 

o     Tinta de silicone;

 

o   Pintura de piso;

 

o     Tinta acrílica lisa.

 

Indicada para uso interno ou externo como acabamento de piso em concreto ou cimentado com textura lisa.

 

o     Tinta acrílica rugosa

Indicada para uso interno ou externo como acabamento de piso em concreto ou cimentado com textura rugosa.

 

o     Tinta epóxi dispersa em água

Indicada para uso interno ou externo em áreas sujeitas a solicitações médias (cozinhas, laboratórios).

 

o     Tinta epóxi dispersa em solvente

Indicada para áreas de solicitações fortes, possuindo boa resistência à abrasão e ao ataque químico (oficinas, almoxarifados, garagens, laboratórios).

 

o     Tinta epóxi com adição de sílica

Indicada para demarcação de faixas de segurança, em ambientes internos.

 

o     Tinta poliuretano alifático alto desempenho

Indicada para uso interno ou externo, onde é requerida elevada resistência à abrasão e ao ataque químico.

 

o     Tinta para demarcação de tráfego a base de borracha clorada

 

Indicada para uso interno ou externo, especialmente para pintura de faixas de demarcação viária em todos os tipos de pavimentos (concreto, asfalto) possuindo alta resistência.

 

o       Tinta para demarcação de tráfego de base alquídica

 

Indicada para uso interno ou externo para pinturas de faixas de demarcação viária, em todos os tipos de pavimentos (concreto, asfalto) possuindo média resistência.

 

o         Pintura para metais e madeira

 

Algumas tintas permitem seu uso como fundo e acabamento, simultaneamente, tais como:

 

o       Tinta grafite / alquídico – Indicada para uso interno e externo em estruturas metálicas sendo aplicada diretamente sobre o metal;

 

o       Tinta betuminosa – Indicada para proteção de superfícies metálicas e madeiras contra a corrosão, possuindo grande flexibilidade;

 

o       Tinta alquídica com pigmentos anticorrossivos – Possuindo ação anticorrosiva, indicada para superfícies de aço e de ferro.

 

o       Tinta alumínica a base de óleo resinoso fenólico – Indicada para uso em estruturas metálicas proporcionando acabamento aluminizado.

 

o         Pintura para alvenarias e argamassas

 

o       Tinta epóxi base solvente

 

Indicada para uso interno ou externo, com alta resistência a solicitação. Apresenta calcinação baixa, ao ser exposta à raios solares.

 

o       Tinta epóxi base d’água

Indicada para uso interno ou externo com alta resistência a solicitação.

 

o         Pintura antipichação

 

o              Tinta de alto desempenho para proteção de superfícies contra pichações

 

É aplicada como acabamento de superfícies externas, sendo resistente às pichações.

o                  Verniz de alto desempenho para proteção de superfícies contra pichações

 

É aplicado em superfícies de concreto e pedras para proteção contra pichações.

 

3.6 PATOLOGIAS


À primeira vista, uma parede interna ou uma fachada bem acabada aparenta formar a base ideal para receber uma pintura, entretanto, a pintura sobre superfícies de reboco ou de concreto não é assim tão simples como parece, constituindo-se num problema onde os riscos e as dificuldades surgem em grande número. Os materiais de construção empregados na preparação e no acabamento das paredes são quimicamente agressivos, podendo, conseqüentemente, atacar e destruir as tintas aplicadas sobre elas.

 

Os materiais de alvenaria podem conter considerável quantidade de água, apresentar porosidade excessiva ou irregularmente distribuída, bem como sais minerais ou cal incorretamente carbonatada, estando sujeitos à degradação progressiva que terminará por reduzir ou destruir a firmeza destas paredes, e com elas o sistema de pintura empregado.


A presença de água pode promover o aparecimento de bolhas e impedir a aderência das películas, além de favorecer a formação de mofo.


A porosidade irregular pode causar variações no brilho, na cor ou prejudicar a aderência da tinta.


A presença de sais minerais pode causar a formação de depósitos cristalinos, descascamento, empolamento, etc.

A grande maioria das causas das falhas de pintura é ocasionada pelo preparo incorreto da superfície e/ou falha na aplicação do produto (mão de obra não qualificada).

 

As patologias mais comuns aos sistemas de pintura são:

 

 Calcinação

 

É o desagregamento do filme que começa a soltar em forma de pó. É normalmente causada pela aplicação externa de um produto recomendado apenas para interiores ou quando a tinta é aplicada sobre superfícies muito absorventes.

Como correção recomenda-se efetuar a selagem através da utilização de produtos para tal fim.

 

 Eflorescência

 

Manchas esbranquiçadas que aparecem sobre a película da tinta, ocasionadas pela aplicação de tinta sobre reboco mal curado, com altas concentrações de sais.

Recomenda-se, como forma de evitar esta patologia, aplicar qualquer tipo de pintura em reboco somente após trinta dias da sua execução. No caso das situações em que, de antemão, é confirmada a existência de concentrações anormais de sais, aplicar “fundo preparador de paredes”.

 

 Desagregamento

 

É a destruição da pintura que começa a esfarelar, destacando-se da superfície juntamente com partes do reboco.

 

Como medida corretiva deve-se selar a superfície com “fundo preparador de paredes”, convenientemente diluído.

 

 Saponificação

 

A alcalinidade das paredes pode provocar a saponificação das tintas formando manchas, com posterior amolecimento ou descascamento do filme.

 

Aparição de manchas e descascamento do filme que promove a destruição das tintas PVA ou o retardamento da secagem das tintas sintéticas, em virtude do produto ter sido aplicado sobre superfícies não curadas ou com alcalinidade excessiva.

 

Recomenda-se aguardar a cura total do reboco por trinta dias e aplicar “fundo preparador de paredes”.

 

 Manchas ocasionadas por pingos de chuva

 

Superfícies pintadas com tinta látex recebem pingos isolados, normalmente de chuva, antes que a tinta esteja completamente seca. Desta forma deve-se evitar a realização de pinturas externas em dias onde não haja segurança de que não irá chover.

 

Uma vez ocorrido o problema sugere-se, como forma de minimizá-lo, lavar a superfície ligeiramente, sem, contudo esfregá-la.

 

 Fissuras

 

Ocasionadas pelo excesso de aglomerante (cimento) nos rebocos, por insuficiente tempo de carbonatação da cal ou por camada muito grossa de reboco. Como medida corretiva recomenda-se a utilização de “massa acrílica”.

 

 descascamento

 

É causado quando a pintura é realizada sobre superfície caiada, com aplicação da primeira demão de tinta sem diluição ou incorretamente diluída, ou por preparo incorreto da superfície.

Como medida corretiva deve-se raspar e escovar as partes soltas ou mal aderidas, e a seguir, aplicar “fundo preparador de paredes”.

 

 Bolhas

 

Ocorre por aplicação de massa PVA em ambiente inadequado ou por infiltrações de água. Como correção recomenda-se raspar o material fracamente aderido, eliminar eventuais infiltrações, selar a superfície com “fundo preparador de paredes” e quando em ambientes externos, só utilizar massa acrílica.

 

 Bolhas na repintura

 

Ocorre quando a tinta nova amolece a película de tinta velha causando dilatação.

 

Devem-se utilizar tintas novas, compatíveis com as anteriormente aplicadas.

 

 Manchas amareladas

 

Causadas por deposição de gordura, óleo ou alcatrão sobre a película de tinta.

Como medida corretiva deve-se lavar a superfície com solução de 10% de amoníaco em água ou detergentes com este agente.

 

 Manchas e retardamento de secagem em pintura ou envernizamento de madeiras

 

Causadas pela migração das resinas naturais da madeira.

 

Elimina-se o problema selando a madeira com selador apropriado.

 

 Trincas e má aderência em madeiras

 

Ocasionada pelo inadequado uso de massa PVA.

 

Recomenda-se remover a massa PVA aplicada e utilizar somente massa a óleo.

 

 

 Escorrimento

 

Ocasionado pela diluição insuficiente da tinta, má aplicação, utilização de solvente rápido ou aplicação de camadas muito finas.

 

 Secagem deficiente

 

Motivada pelo incorreto preparo da superfície, não sendo eliminados alguns contaminantes tais como: óleo, graxa, ceras, gorduras, etc. Outro motivo é a aplicação sobre superfícies altamente alcalinas, em ambientes úmidos ou com baixas temperaturas.

 

Recomenda-se, além da limpeza prévia do substrato, aplicar pinturas em temperaturas superiores a 10°C e umidade relativa do ar inferior a 85%.

 

 Enrugamento

 

Ocasionado, pela aplicação de camada muito grossa de tinta, secagem sob luz solar ou repintura sobre primeira demão, ainda não convenientemente seca.

Algumas tintas não devem ser aplicadas sob luz solar; desta forma, recomenda-se quando necessário, consultar o fabricante da tinta utilizada.

 

 Mofo

 

Proporcionado pela existência de ambientes extremamente úmidos ou quentes, com pouca ventilação e circulação de ar ou pouco iluminado.

 

Como medida corretiva deve-se lavar a superfície com solução de água sanitária diluída 1:1 em água potável, e a seguir, repintar a superfície.

 

 

 

4. METODOLOGIA DE EXECUÇÃO

 

4.1 PREPARO DE SUPERFÍCIES

 

Todos os substratos deverão ser preparados adequadamente a fim de garantir o sucesso do sistema de pintura. Este procedimento é de máxima importância, e sua não observância causará graves patologias no revestimento de pintura em períodos curtos após a aplicação.

 

Se o resultado final de um sistema de pintura é o produto direto do adequado preparo da superfície, é importante observar alguns cuidados gerais:


     • A superfície deverá estar firme, curada, limpa, seca, isenta de poeira, óleo, gordura, sabão, mofo, ceras e ou graxa. As Graxas, óleos e agentes desmoldantes, deverão ser removidos com solução de água e detergente neutro;


     • Todas as e ou partes soltas ou mal aderidas devem ser eliminadas através de raspagem ou escavação da superfície;


     • Todas as fissuras e imperfeições profundas das paredes devem ser corrigidas com massa acrílica em superfícies externas ou internas ou com massa PVA em superfícies internas;


     • Paredes mofadas devem ser raspadas e a seguir lavadas com uma solução de água e água sanitária (1:1) e a seguir lavadas e enxaguadas com água potável;


     • No caso de repintura sobre superfícies brilhantes, o brilho deve ser eliminado com uma lixa fina.

 

Além dos cuidados citados acima, se deve observar cuidados específicos para cada tipo e situação de superfície a ser pintada:


Concreto reboco e argamassa

 

Aguardar pelo menos 30 dias para cura total. Sobre rebocos fracos e ou pulverulentos, deve-se aplicar o fundo preparador de paredes (base solvente ou a base d’água) para aumentar a coesão das partículas da superfície, evitando problemas de má aderência e descascamento. Quando essas superfícies tiverem absorções diferenciadas, deverá ser aplicado um selador acrílico pigmentado para uniformizar a absorção. Somente o fundo preparador de parede atuará em situações em que ocorrem problemas de alcalinidade, pulverulência e absorção ao mesmo tempo.

 

O concreto deve estar seco, limpo, isento de pó, sujeira, óleo e agentes desmoldantes.

 

Superfícies com fissuras internas ou externas deverão ser corrigidas com massa acrílica;

 

As superfícies com trincas deverão ter as causas identificadas, para posterior correção;

 

Superfícies de origem básica (pH básico), onde será utilizado acabamento com sistema de pintura ácido, deverão receber selador ou fundo de correção e equilíbrio químico (selador acrílico, fundo preparador de parede, verniz acrílico a base d’água);

 

Selador acrílico e PVA não se aplicam a superfícies pulverulentas;

 

Superfícies com incidência de umidade passiva e umidade por capilaridade deverão ter tratamento de impermeabilização específico e anterior ao serviço de pintura;

 

O lixamento será executado com lixa de parede, por ser mais adequado a este tipo de superfície do que a lixa d’água;

 

Após o lixamento a superfície será limpa com escova;

 

A área será limpa após o lixamento, afim de evitar impregnação de material particulado nas tintas aplicadas posteriormente.


Cimento amianto

 

Esta superfície é altamente alcalina, sendo indicada a aplicação de um fundo resistente à alcalinidade (fundo preparador de parede, base solvente ou base d’água) para selar a superfície. Este procedimento não é necessário se for utilizado látex acrílico, que tem excelente resistência à alcalinidade.

 

É importante remover totalmente o pó sobre a superfície, através de lavagem, enxaguamento e secagem;


Pisos

 

Só podem ser pintados os tipos porosos, pois pisos vitrificados e polidos (concreto liso, ladrilhos, etc.) não proporcionam boa aderência. O piso deverá estar limpo e seco, isento de impregnações (óleo, graxa, cera, etc.). Pisos de concreto liso (cimento queimado) devem ser submetidos a um tratamento prévio com solução de ácido muriático e água (1:1), que terá a finalidade de abrir porosidade na superfície. Após esse tratamento, o piso deve ser enxaguado, seco e então pintado. O tratamento com ácido muriático é ineficaz sobre pisos de ladrilhos vitrificados.

 

Pisos em concreto ou cimentados (queimados ou não)

 

O preparo dos pisos para pintura será realizado da seguinte forma:

 

- O piso deverá estar limpo, seco, isento de impregnações, tais como: óleo, gordura, graxa e cera;

 

- As juntas devem estar firmes e as arestas perfeitas; caso contrário, deverão sofrer intervenção para correção, antes do serviço de pintura;

 

- Pisos lisos deverão sofrer um tratamento químico de abertura de poros, banho com ácido muriático e escovamento com vassoura de cerdas duras;

 

- Lavar e enxaguar muito bem com detergente neutro;

 

- Lavar e enxaguar com água potável;

 

- Secar;

 

- Aplicar fundo resistente a alcalinidade (selador acrílico) afim de economizar na primeira demão de acabamento, visto a porosidade do substrato.

 

Superfícies vitrificadas ou esmaltadas

 

Para o preparo destas superfícies deve-se limpar completamente as superfícies removendo gorduras, óleos, mofos e fungos, inclusive nos rejuntamentos, não se esquecendo de enxaguar bem. Em muitos casos é necessário que o rejuntamento seja refeito.

 

 

 


Madeira

 

Deve ser limpa, aparelhada, seca e isenta de óleos, graxas, sujeiras ou outros contaminantes e também receber tratamento bactericida e fungicida (fundo preservativo). Madeiras resinosas ou áreas que contém nós devem ser seladas com verniz. Um procedimento aconselhável é selar a parte traseira e os cantos da madeira antes de instalá-la, para evitar a penetração de umidade por esse lado. Uma cuidadosa vedação de furos, frestas, junções é necessária para prevenir infiltrações de água de chuva.

 

Caso a madeira seja resinosa, é importante aplicar verniz sintético plástico como fundo.


Ferro e aço

 

Este tipo de material é muito vulnerável à corrosão. Devem ser removidos todos os contaminantes que possam interferir na aderência máxima do revestimento, inclusive a ferrugem através de lixamento manual com lixa de ferro. Os óleos e graxas devem ser removidos através da fricção com estopa embebida em solventes como por exemplo o thinner. O lixamento mecânico com lixadeira elétrica ou por processos químicos também é utilizado, atentando-se para a eliminação total do produto após a remoção da oxidação. O processo de preparo depende do tipo e concentração dos contaminantes e as exigências específicas de cada tipo de tinta. Alguns tipos de tinta têm uma boa aderência somente quando a superfície é preparada com jateamento abrasivo, que produz um perfil rugoso adequado para a perfeita ancoragem do revestimento.


Alumínio

 

É um metal facilmente atacado por ácidos ou álcalis, e sua preparação deve constar de uma limpeza com solventes para eliminar óleo, gordura, graxas, ou outros contaminantes. É importante aplicar inicialmente um primer (wash primer) de ancoragem para garantir uma perfeita aderência do sistema de pintura.


Ferro galvanizado

 

É um metal ferroso com uma camada de zinco, usado para dar proteção à corrosão por mecanismos físicos e químicos, portanto, não é o ferro que será pintado, mas sim o zinco, que é um metal alcalino. As superfícies galvanizadas devem ser limpas, secas e livres de contaminantes. Um primer específico para este tipo de superfície, também denominado primer de aderência, deve ser aplicado inicialmente.

 

A superfície galvanizada é aquela que recebeu um tratamento químico através da aplicação de uma camada de zinco eletrodepositada, necessitando de um fundo aderente (primer para galvanizados ou wash primer).


Superfícies emassadas

 

São, em sua maioria, muito absorventes e sujeitas à contaminação pela poeira residual, proveniente da operação de lixamento. (O qual procedimento deve ser feito com lixa d’água) Para garantir boa aderência do acabamento a ser aplicado, qualquer que seja o sistema adotado, massa PVA, acrílica ou esmalte ou a óleo, é fundamental, após o lixamento, a máxima remoção do pó residual produzido. Limpar completamente o recinto, a fim de evitar o pó, para que não haja impregnação da tinta; O uso da escova juba é importante para não danificar o fundo nivelador, os quais dependem do tipo de superfície a ser pintada. Em seguida, deve ser aplicado um selador tipo incolor, (selador PVA, selador acrílico) que penetrará e selará a massa. A própria tinta de acabamento poderá ser utilizada diretamente sobre a superfície emassada, desde que a 1ª demão, servindo de seladora, seja aplicada com maior diluição. Acabamentos à base de água devem ser diluídos, como regra, de 50 a 100% por volume. Acabamentos à óleo ou sintéticos devem ser diluídos na condição máxima recomendada, conforme o método de aplicação e solvente.


Superfícies mofadas

 

Devem ser cuidadosamente limpas, com a total destruição destas colônias. Para tanto, deve-se escovar a superfície, e, a seguir, lavá-la com uma solução de água potável e água sanitária (1:1), deixando agir por cerca de 30 minutos, após o que a superfície deve ser novamente lavada com água potável, aguardando no mínimo trinta minutos para a completa secagem antes de iniciar a pintura.

 

Caso o sistema de pintura adotado não seja bactericida (ex. acrílico), aplicar fundo acrílico (selador acrílico ou fundo preparador de parede)

 

Superfícies caiadas

 

Não oferecem boa base para pintura, tornando-se necessário uma raspagem completa.

 

Estas superfícies devem ser preparadas observando o seguinte procedimento:

 

- Escovar bem;

- Lavar e enxaguar bem;

- Aplicar fundo preparador de parede.

 

Superfícies já pintadas

 

Quando a superfície estiver em boas condições, será suficiente limpá-la bem, para a remoção do pó, após um lixamento, e a seguir aplicar as tintas de acabamento escolhidas. Quando em más condições, a tinta antiga deve ser completamente removida, por meio manual, mecânico, químico e/ou mesmo jateamento de partículas de sílica, e a seguir deve-se proceder como se a superfície fosse nova.

 

4.2 SISTEMAS DE PINTURA

 

O sistema de pintura é o conjunto de ações interdependentes que visam garantir um processo técnico eficiente e uma qualidade e durabilidade no revestimento final de tintas.

 

As etapas a seguir representam o “Esquema do Sistema de Pintura”:

 

ACABAMENTO

(Tintas e Vernizes)

 

 

INTERMEDIÁRIO

(Massa Adequada)

 

FUNDO

(Seladores e Preparadores)

 

SUBSTRATO

(Superfície a ser Pintada)


 

 


  • Substrato (Superfície a ser pintada)

 

  • Fundo

 

  • Intermediário (caso a especificação estabeleça uma superfície lisa)

 

  • Massa adequada

 

  • Acabamento

 

O acabamento poderá ser aplicado sobre o intermediário ou sobre o fundo, ou ainda, diretamente sobre o substrato; o intermediário poderá ser aplicado sobre o fundo (deve-se evitar aplicação do intermediário diretamente sobre o substrato); e por último, o fundo deverá ser aplicado sobre o substrato.

 

Observações:

 

 A norma brasileira ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), prescreve que cada fabricante seja responsável pelo seu sistema de pintura, logo a opção de produtos de vários fabricantes em um mesmo sistema, passa a ser responsabilidade do profissional especificador e não mais dos fabricantes.

 

 Principais sistemas

 

  • Alvenaria concreto e argamassa curada

 

Ambiente interno

Procedimento

Ambiente externo

Procedimento

Preparo de superfície

1. Fundo:

·        No caso de Pulverulência usar fundo preparador de parede;

·        No caso de correção química usar selador acrílico;

·        No caso de absorção excessiva usar selador PVA ou selador acrílico.

2. Massa: Corrida PVA.

3. Tinta de acabamento: PVA.

Preparo de superfície

1. Fundo:

·        No caso de Pulverulência usar fundo preparador de parede;

·        No caso de correção química usar selador acrílico;

·        No caso de absorção excessiva usar selador PVA ou selador acrílico.

2. Massa: Acrílica.

3. Tinta de acabamento: PVA.

 

Observação:

 

Sempre após a aplicação do fundo preparador de parede deve-se promover a quebra do brilho ao lixar com lixa d’água grana 400;

 

Nunca aplicar massa corrida PVA em áreas externas ou com presença d’água;

 

Observar cuidados com emassamento;

 

Filme de tinta só poderá ser submetido a ação (limpeza) após sua cura total (aproximadamente 30 dias).

 

Sistema PVA acabamento liso, sem fundo uso interno:

 

Procedimento n° 1: É eliminado

 

Procedimento n° 2: Uso interno massa PVA

 

Procedimento n° 3 : Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento liso, sem fundo uso interno e externo:

 

Procedimento n° 1: É eliminado

 

Procedimento n° 2: Uso externo massa acrílica

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento liso, sem fundo, com adição de regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: É eliminado

 

Procedimento n° 2: Uso interno massa PVA

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de regulador de brilho

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo selador PVA:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador plástico PVA

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo preparador de parede:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: É eliminado.

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo selador PVA e regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador plástico PVA

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de regulador de brilho

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo preparador de parede e regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, regulador de brilho

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador PVA uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador plástico PVA

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo preparador de parede uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador PVA e regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador plástico PVA

 

Procedimento n° 2: Aplicar massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta, 50% de seu volume, de regulador de brilho.

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo preparador de parede e regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de regulador de brilho

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador PVA e verniz acrílico a base d’água uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador plástico PVA

 

Procedimento n° 2: Massa PVA em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de verniz acrílico a base d’água

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo preparador de parede e verniz acrílico a base d’água uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, verniz acrílico a base d’água

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo selador PVA e verniz acrílico a base d’água uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador plástico PVA

 

Procedimento n° 2: Eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de verniz acrílico a base d’água.

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo preparador de parede e verniz acrílico a base d’água uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2 : É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de verniz acrílico a base d’água

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo selador acrílico:

 

Procedimento n° 1: Deverá ser adotado selador acrílico tanto na área interna quanto da externa, observando os demais cuidados do item;

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo selador acrílico e com adição de regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: Adotado selador acrílico na área interna

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, regulador de brilho;

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador acrílico uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador acrílico uso externo:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA.

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador acrílico e regulador de brilho uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, regulador de brilho;

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador acrílico e com adição de verniz acrílico (a base d’água) uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa PVA (massa corrida) em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA adicionar na tinta 50%, de seu volume, verniz acrílico a base d’água;

 

Sistema PVA acabamento liso, com fundo selador acrílico e com adição de verniz acrílico (a base d’água) uso externo:

 

Procedimento n° 1: Fundo: selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, verniz acrílico a base d’água

 

Sistema PVA acabamento natural, com fundo selador acrílico e verniz acrílico a base d’água uso interno:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2 Eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento PVA, adicionar na tinta 50%, de seu volume, de verniz acrílico a base d’água.

 

Sistema acrílico acabamento fosco, natural, com fundo selador acrílico:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico fosco

 

Sistema acrílico acabamento fosco, natural, com fundo preparador:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico fosco

 

Sistema acrílico acabamento fosco, liso, sem fundo:

 

Procedimento n° 1: É eliminado

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico fosco

 

Sistema acrílico acabamento fosco, liso, com fundo preparador de parede:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico fosco

 

Sistema acrílico acabamento fosco, liso, com selador acrílico:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico fosco

 

Sistema acrílico acabamento semi-brilho, natural, com selador acrílico:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico semi-brilho (acrílico 100% ou acrílico modificado).

 

Sistema acrílico acabamento semi-brilho, natural, com fundo preparador de parede:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico semi-brilho (acrílico 100% ou acrílico modificado)

 

Sistema acrílico acabamento semi-brilho, liso, sem selador:

 

Procedimento n° 1: É eliminado

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico semi-brilho (acrílico 100% ou acrílico modificado)

 

Sistema acrílico acabamento semi-brilho, liso, com selador:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico semi-brilho (acrílico 100% ou acrílico modificado)

 

Sistema acrílico acabamento semibrilho, liso, com fundo preparador de parede:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica em camadas finas

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico semi-brilho (acrílico 100% ou acrílico modificado)

 

Sistema acrílico acabamento texturizado:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico texturizada (acrílico 100% ou acrílico modificado).

 

 

Sistema acrílico acabamento texturizado:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Tinta de acabamento acrílico texturizada (acrílico 100% ou acrílico modificado)

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, natural, com selador acrílico:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico à base d’água

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Acabamento – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, natural, com fundo:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Acabamento – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, liso, com selador:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico a base d’água

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica (em camadas finas)

 

Procedimento n° 3: Fundo branco

 

Procedimento n° 4: Acabamento – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, liso, com fundo:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica (em camadas finas)

 

Procedimento n° 3: Fundo branco

 

Procedimento nº 4: Acabamento – tinta esmalte sintético acetinado.

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, natural, com selador acrílico:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico à base d’água

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, natural, com fundo preparador:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema Sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, liso, com selador:

 

Procedimento n° 1: Fundo selador acrílico a base d’água

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica (em camadas finas)

 

Procedimento n° 3: Fundo branco

 

Procedimento n° 4: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, liso, com fundo preparador:

 

Procedimento n° 1: Fundo preparador de parede

 

Procedimento n° 2: Massa acrílica (em camadas finas)

 

Procedimento n° 3: Fundo branco

 

Procedimento n° 4: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho.

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Superfícies de madeira com acabamento

 

Ambiente interno

Procedimento

Ambiente externo

Procedimento

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Branco;

 

2. Intermediário: Massa;

 

3. Acabamento: Esmalte alquídico alto-brilho, esmalte alquídico acetinado ou tinta óleo.

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Branco;

 

2. Intermediário: Massa;

 

3. Acabamento: Tinta esmalte alquídico alto brilho.

 

Observações:

 

Em superfícies externas, sempre que possível, optar por produtos com brilho;

 

Entre demãos observar o intervalo recomendado pelo fabricante;

 

Observar sempre a utilização de solvente recomendado pelo fabricante, não sendo permitida em hipótese nenhuma, mistura de produtos de várias fábricas;

 

Entre demãos, em superfícies com brilho, adotar a quebra do brilho com lixa d’água 400 e posterior limpeza antes da próxima demão.

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, natural, com fundo.em esquadria de madeira:

 

Procedimento n° 1: Fundo branco

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Acabamento interno preferencialmente – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, natural, com fundo, peças e forro de madeira:

 

Procedimento n° 1: Fundo branco

 

Procedimento n° 2: É eliminado

 

Procedimento n° 3: Acabamento interno preferencialmente – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, liso, com fundo esquadria de madeira:

 

Procedimento n° 1: Fundo branco

 

Procedimento n° 2: Massa óleo (em camadas finas)

 

Procedimento n° 3: Acabamento interno preferencialmente – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, liso, com fundo peças e forro de madeira:

 

Procedimento n° 1: Fundo branco

 

Procedimento nº 2: Massa óleo (em camadas finas)

 

Procedimento nº 3: Acabamento interno preferencialmente – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, natural, com fundo, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Fundo branco

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, natural, com fundo, peças e forro de madeira:

 

Procedimento nº 1: Fundo branco

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Interno e externo - Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, liso, com fundo esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Fundo branco

 

Procedimento nº 2: Massa óleo (em camadas finas)

 

Procedimento nº 3: Interno e externo - Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto-brilho, liso, com fundo peças e forro de madeira:

 

Procedimento nº 1: Fundo branco

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Interno e externo - Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho.

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento alto brilho, liso, com fundo esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Fundo branco

 

Procedimento nº 2: Massa óleo (em camadas finas)

 

Procedimento nº 3: Interno e externo - Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

  • Acabamento com envernizamento

 

Ambiente interno

Procedimento

Ambiente externo

Procedimento

Preparo de superfície

Caso a madeira seja resinosa usar fundo adequado.

 

1. Fundo: Preservativo;

 

2. Acabamento: Verniz poliuretano fosco aromático, ou verniz poliuretano fosco alifático, ou verniz poliuretano aromático fosco com filtro solar, ou verniz poliuretano alifático fosco com filtro solar, ou verniz poliuretano aromático alto- brilho, ou verniz poliuretano alifático alto brilho, ou verniz poliuretano aromático com filtro solar alto brilho, ou verniz poliuretano alifático com filtro solar alto brilho.

Preparo de superfície

 Caso a madeira seja resinosa usar fundo adequado.

 

1. Fundo: Preservativo;

 

2. Acabamento: Verniz poliuretano aromático alto-brilho, ou verniz poliuretano alifático alto-brilho, ou verniz poliuretano aromático com filtro solar alto-brilho, ou verniz poliuretano alifático com filtro solar alto-brilho.

 

Observações:

 

Superfícies externas, sempre que possível, optar por produtos com brilho e se possível utilizar filtro solar. Entre demãos, observar o intervalo recomendado pelo fabricante.

 

Observar sempre a utilização de solvente recomendado pelo fabricante, evitando mistura de produtos de várias fábricas. Entre demãos em superfícies com brilho, adotar a quebra do brilho com lixa d’água 400 e posterior limpeza antes da próxima demão.

 

Caso a madeira não seja resinosa, poderá ser eliminada a demão do verniz sintético plástico.

 

Para alguns vernizes especiais deverá ser observada a indicação específica de preparo de superfície e sistema de aplicação indicado pelo fabricante.

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco, sobre peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho, sobre peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco, esquadrias de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho, esquadrias de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho.

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz Aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – verniz sintético plástico

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco, sobre peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho, sobre peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco, esquadrias de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho, esquadrias de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano aromático acabamento fosco com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático fosco.

 

Sistema poliuretano aromático acabamento alto-brilho com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz aromático alto-brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto brilho com filtro solar, esquadria de madeira:

 

Procedimento no 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento no 2: Verniz alifático alto brilho

 

Sistema poliuretano alifático acabamento fosco com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: verniz alifático fosco

 

Sistema poliuretano alifático acabamento alto-brilho com filtro solar, peças e forros de madeira:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - Fundo – fundo preservativo

 

Procedimento nº 2: Verniz alifático alto-brilho

 

  • Acabamento com enceramento

 

Sistema de enceramento:

 

Procedimento nº 1: Interno limpeza

 

Procedimento nº 2: Aplicação de cera natural

 

Procedimento nº 3: Polimento manual ou mecânico.

 

  • Superfícies de ferro e aço

 

Ambiente interno

Procedimento

Ambiente externo

Procedimento

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Antioxidante;

 

2. Acabamento: Aplicar 2 (duas) ou mais demãos, do sistema alquídico (esmalte), óleo.

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Antioxidante;

 

2. Acabamento: Aplicar 2 (duas) ou mais demãos do sistema alquídico (esmalte) alto-brilho.

 

Observações:

 

Em superfície com alto índice de agressividade deverá ser adotado fundo antioxidante de alto desempenho, e as camadas protetoras deverão ter espessura de películas compatíveis.

 

Deverá ser adotado sempre que possível em superfícies externas, acabamento com brilho.

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, natural, com fundo:

 

Procedimento nº 1: Interno e externo - fundo antioxidante

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento interno preferencialmente – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento acetinado, natural, com fundo, sobre peças e superfícies metálicas:

 

Procedimento nº 1: Fundo antioxidante

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento interno preferencialmente – tinta esmalte sintético acetinado

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento natural, com fundo, sobre serralharia:

 

Procedimento nº 1: Fundo antioxidante

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Interno e externo - Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

Sistema sintético (sistema alquídico) acabamento natural, com fundo, sobre peças e superfícies metálicas:

 

Procedimento nº 1: Fundo antioxidante

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Interno e externo - Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho.

 

  • Superfícies de metais galvanizados.

 

Sistema acrílico semibrilho acabamento natural, com fundo, sobre peças e superfícies metálicas galvanizadas:

 

Procedimento nº 1: Fundo aderente

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento – tinta acrílica semibrilho.

 

Sistema esmalte alto-brilho (sistema alquídico) acabamento natural, com fundo, sobre peças e superfícies metálicas galvanizadas:

 

Procedimento nº 1: Fundo aderente

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho

 

 

  • Superfícies de metais de alumínio.

 

Sistema acrílico semibrilho acabamento natural, com fundo, sobre peças e superfícies metálicas de alumínio:

 

Procedimento nº 1: Fundo aderente

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento – tinta acrílica semibrilho

 

Sistema esmalte alto-brilho (sistema alquídico) acabamento natural, com fundo, sobre peças e superfícies metálicas de alumínio:

 

Procedimento nº 1: Fundo aderente

 

Procedimento nº 2: É eliminado

 

Procedimento nº 3: Acabamento – tinta esmalte sintético alto-brilho.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Superfícies de concreto aparente, pedras,

 Alvenaria aparente, cerâmica:

 

Com alteração do aspecto natural, ou seja, aumento no brilho

Sem alteração do aspecto natural

Preparo de superfície

 

1. Lixamento mecânico;

 

2. Estucamento com argamassa plástica de cimento branco estrutural com cimento Portland comum.

Preparo de superfície

 

1. Lixamento mecânico;

 

2. Estucamento com argamassa plástica de cimento branco estrutural com cimento Portland comum.

3. 1ª Demão de verniz acrílico incolor ou fundo preparador de parede.

4. Quebrar brilho lixando suavemente. Usar lixa d’agua numero 400.

5. 2ª Demão de verniz acrílico incolor ou fundo preparador de parede.

 

3. Uma demão farta de hidrofugante (silicone líquido).

 

Preparo de superfície para tratamento de concreto aparente (Interno e externo):

 

  • Lixamento mecânico e remoção de pó;

 

  • Aplicação de estucamento de argamassa (pasta) de cimento branco estrutural com cimento Portland comum (as percentagens da composição da mistura serão estabelecidas na obra) com desempenadeira de aço.

 

 

 

 

Observação:

 

As percentagens da composição irão variar segundo a tonalidade do concreto existente na obra. Portanto, concretos mais claros receberão maior percentagem de cimento branco estrutural, enquanto que concretos mais escuros por sua vez, receberão uma percentagem maior de cimento Portland comum.

 

Sistema de hidrofugante silicone - sem alteração de aparência (Interno e externo):

 

Aplicação de uma demão farta de silicone líquido.

 

Sistema de verniz acrílico incolor à base d’água - com alteração de aparência (Interno e externo):

 

Aplicação de verniz acrílico incolor à base d’água.

 

Quebra do brilho com lixa 400.

 

Aplicação de verniz acrílico incolor a base d’água.

 

  • Superfícies de gesso.

 

Ambiente interno

Procedimento

 

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Fundo preparador de parede;

 

2. Acabamento: Tinta de acabamento acrílico, PVA ou esmalte.

 

 

Observação:

 

O filme de tinta só poderá ser submetido a ação (limpeza) após sua cura total (aprox. 30 dias).

 

Sistema de látex acrílico fosco:

 

Procedimento nº 1: Interno - aplicação de fundo preparador de parede e lixamento com lixa 400

 

Procedimento nº 2: Aplicação interna - látex acrílico fosco

 

Sistema de látex acrílico semibrilho:

 

Procedimento nº 1: Aplicação interna - fundo preparador de parede e lixamento com lixa 400

 

Procedimento nº 2: Aplicação interna - látex acrílico semibrilho

 

Sistema de látex PVA:

 

Procedimento nº 1: Ambiente interno - aplicação de fundo preparador de parede e lixamento com lixa 400

 

Procedimento nº 2: Ambiente interno - aplicação de látex PVA

 

Sistema de alquidico esmalte sintético alto-brilho:

 

Procedimento nº 1: Ambiente interno - aplicação de fundo preparador de parede e lixamento com lixa 400

 

Procedimento nº 2: Ambiente interno - aplicação de sistema esmalte alto-brilho

  • Superfícies de cimento amianto:

 

Ambiente interno

Procedimento

Ambiente externo

Procedimento

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Fundo preparador de parede;

 

2. Acabamento: Aplicar 2 (duas) a 3 (três) demãos de látex acrílico.

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Fundo preparador de parede;

 

2. Acabamento: Aplicar 2 (duas) a 3 (três) demãos de látex acrílico.

 

Observações:

 

Observar o tratamento da superfície interna e externa.

 

Em caso de coberturas em telhas deverá ser adotado, sempre que possível, acabamento com brilho na superfície externa.

 

Sistema de latex acrílico semibrilho:

 

Procedimento nº 1: Ambiente interno e externo - aplicação de fundo preparador de parede e lixamento com lixa 400

 

Procedimento nº 2: Ambiente interno e externo - aplicação de latex acrílico semibrilho

 

 

 

 

 

 

  • Superfícies de pisos - quadras, pátios e estacionamentos:

 

Ambiente interno

Procedimento

Ambiente externo

Procedimento

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Conforme o preparo de superfície;

 

2. Acabamento: Látex acrílico para pisos 2 (duas) a 3 (três) demãos.

Preparo de superfície

 

1. Fundo: Fundo preparador de parede;

 

2. Acabamento: Látex acrílico para pisos 2 (duas) a 3 (três) demãos.

 

Sistema de látex acrílico - Demarcação de quadras:

 

Procedimento nº 1: Ambiente interno e externo - aplicação de fundo selador acrílico

 

Procedimento nº 2: Ambiente interno e externo - aplicação de latex acrílico

 

Sistema de borracha clorada - Demarcação de quadras:

 

Procedimento nº 1: Ambiente interno e externo - aplicação de fundo selador acrílico

 

Procedimento nº 2: Ambiente interno e externo - aplicação de tinta de borracha clorada

 

Pintura de quadra poliesportiva com sistema em látex acrílico:

 

Procedimento nº 1: Ambiente interno e externo - aplicação de fundo selador acrílico

 

Procedimento nº 2: Ambiente interno e externo - aplicação de latex acrílico para pisos (preferencialmente com pigmentos “Circulares”)

 

4.3 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

 

Os serviços de pintura em ambientes externos deverão ser realizados de acordo com as seguintes observações:

 

- Evitar aplicações em dias de chuvosos;

 

- Evitar aplicação em substratos quentes, recomenda-se a temperatura entre 10º e 40ºC, com a umidade relativa do ar inferior a 85%.

 

Deverão ser observados com rigor, os seguintes dados sobre os produtos:

 

Prazo de validade

 

- Base água: 2 anos a partir da data de fabricação;

 

- Base solvente: 3 anos a partir da data de fabricação.

 

Os produtos poderão ter estes prazos modificados pelos fabricantes.

Neste caso o prazo deverá ser indicado de forma clara e objetiva.

 

Todos os produtos deverão ser identificados, com código, lote e prazo de validade.

 

Informações contidas na embalagem

 

Deverão acompanhar o produto informações impressas na embalagem, indicando composição básica, técnica de aplicação, armazenagem, transportes e cuidados com o manuseio.

Integridade do produto e embalagem

 

Todas as embalagens deverão se apresentar íntegras, fechadas, não violadas, etiquetadas com informações preservadas e de fácil leitura.

 

Estabilidade das tintas

 

Na abertura inicial de uma embalagem de tinta não poderá ser identificado:

 

- Excesso de sedimentação;

 

- Coagulação;

 

- Empedramento;

 

- Separação de pigmento;

 

- Genéreses ou formação de nata (filme), que não possa tornar-se homogênea através de simples agitação manual. A tinta não pode apresentar odor pútrido, e nem exalar vapores tóxicos.

 

Tempo de secagem

 

O intervalo entre demãos e o tempo de secagem de um filme de tinta deverá estar expresso em sua embalagem e ser observado pelo aplicador.

 

Equipamentos para o serviço de pintura

 

Podemos dividir os equipamentos basicamente em três grupos:

 

  • Equipamentos de proteção individual

 

Deverão ser atendidas as prescrições da norma de segurança do trabalho contidas nas Normas Regulamentadoras do Ministério do Trabalho.

 

  • Equipamentos de proteção de áreas móveis e utensílios

 

- Fita crepe com remoção sem resíduos;

 

- Sistema de dispensador manual;

 

- Filme plástico;

 

- Papel de proteção;

 

- Panos para limpeza;

 

- Lona para forração de piso (conforme especificação do fabricante).

 

  • Equipamentos de aplicação

 

- Escova de aço, para escovação em superfícies;

 

- Lixas para uniformizar a superfície e criar ponto de aderência;

 

- Lixa para argamassa - grana 60 a 220;

 

- Lixa d´água para massa corrida PVA, acrílica – grana 220 a 600, óleo / esmalte;

 

- Lixa para madeira – grana 180 a 240;

 

- Lixa para ferro – grana 36 a 220;

 

- Lixas especiais;

 

- Lixa antiempastante para massa e madeira – grana 80 a 400;

 

- Blocos abrasivos e esponja abrasiva dupla face grana 120 a 400.

 

- Pincéis e trinchas para uso em sistemas a base solvente (alquídicas óleos vernizes);

 

- Rolos:

 

- Rolo de lã de carneiro ou lã sintética, usada para sistema a base de água (PVA Acrílica);

 

- Rolo de lã para epoxi, usado para sistemas de resina epóxi, podendo ser também utilizado para base d’água. Recomenda-se umedecer o rolo ligeiramente com água, retirando o excesso e deslizando-o na parede;

 

- Rolo de espuma, indicado para sistema a base de solvente;

 

- Rolo de textura, indicado para acabamento texturizado.

 

- Espátulas: indicada para o uso e remoção de tintas, em pequenas áreas;

 

- Desempenadeira de aço: usada para a aplicação de massa em grandes áreas;

 

- Bandeja: para acondicionar a tinta durante a aplicação facilitando a transferência de tinta para a ferramenta;

 

- Revólver ou pistola de pintura: para tintas a base de solvente, sendo o mais utilizado, o de calibragem entre 2,2 a 2,8 Kgf / cm²;

 

- Sistema “air less”: pintura a base d’água e base solvente. Consiste em um sistema de pressão, com pistola e recipiente central de tinta. Utilizado para grandes áreas de difícil acesso.

 

5. O SENTIDO DAS CORES

 

5.1 CROMOTERAPIA

 

Gradualmente, desde o fim da guerra, as cores retornaram a fazer parte de nossas vidas, sendo estas vivas e brilhantes. O creme, cinza e marrom foi substituído pelo vermelho real, pelo azul extraordinário, variando do azul pastel ao índigo, os verdes e amarelos vivos como se capturando os raios de sol e vida pelo caminho.

 

A cor atua sobre nós, seguindo o nosso meio, elevando ou baixando nossos espíritos.

 

O fato de que muita atenção seja dependida, atualmente, em tornar as casas mais agradáveis e simultaneamente claras e habitáveis, indica o reconhecimento generalizado do importante efeito que a cor tem sobre a personalidade das pessoas. Isto é, de fato, reconhecido diretamente na atualidade pelas autoridades médicas e hospitalares que buscam alegrar os pacientes em depressão pelo uso de tons vermelhos, rosa ou alaranjados na decoração e tranqüilizar os supercitados com todos os matizes de azul e verde.

 

Psicologicamente somos afetados pela cor. Somos estimulados pelas cores vivas enquanto cores pardas nos proporcionam sentimentos apáticos. O vermelho nos aquece e ainda mais caloroso é o fogo de uma turfa ou de uma tora ardendo. O azul é uma cor fria, suave para os olhos e para a mente. O verde nos harmoniza, nos refresca, nos restaura do stress causado pela rotina diária das cidades grandes. O amarelo é imbatível enquanto estimulante mental e quem deseja conversação brilhante em sua sala de visitas deve usar esta cor.

 

Os ditos populares que usam o “enxergando vermelho” ou “roxo de raiva”, “verde de inveja” procuram relatar as alterações que ocorrem em nosso campo eletromagnético, devido às mudanças ocorridas em nossas emoções.

 

A cromoterapia é a ciência que utiliza cores para a cura de determinadas doenças. Acredita-se, dentro da cromoterapia, que a aura emana cores diferentes, indicando o estado de saúde de cada pessoa. Desta maneira, pode-se diagnosticar doenças que serão tratadas com o uso de outras determinadas cores. O curandeiro da cromoterapia diagnostica a doença pelo relato das pessoas ou pela foto da aura, verificando a falta ou o excesso de determinada cor na vida daquela pessoa, e assim poderá receitar as cores adequadas para cada tipo de doença.

 

Considerando todos os aspectos, a cor é parte integrante de nossas vidas. Visível ou invisível afeta-nos poderosamente, posto que nelas vivemos e somos.

 

Fundamentos científicos

 

A cor é uma das qualidades da luz e assim somos todos afetados pelas cores diariamente.

 

A pesquisa moderna, física e metafísica demonstra, como em muitos outros campos, a sabedoria dos antigos egípcios quanto ao uso das cores nos processos de cura.

 

A terra e todos os seus habitantes obtêm energia através dos raios solares. Os raios do sol possuem todas as cores. O sol descarrega continuamente a energia da luz branca na atmosfera com diferentes tipos de energias necessárias para manter a vida. A aura do homem é responsável por absorver a energia da luz branca da atmosfera e decompô-la nas energias de suas constituintes que então fluem para as diferentes partes do corpo a fim de vitalizá-las.

 

5.2 PERCEPÇÃO E SENSAÇÃO VISUAL

 

Ao especificar uma cor para certo ambiente, é necessário que se tenha em mente a questão da luminosidade em primeiro lugar. É importante que as cores alterem e melhorem o sistema de iluminação já existente. Por exemplo, se o caso for uma sala sombria, voltada para o sul, com dificuldade de iluminação natural, escolha cores quentes, pois esta opção melhorará a qualidade da luz no local. Outro exemplo é o de uma cozinha inundada de sol matinal, esta cozinha pode ter um clima mais tranqüilo caso tenha paredes com cores como os verdes frios e azuis.

 

Contraste de cores influenciam:

 

No tamanho

 

Cores escuras parecem mais pesadas e cores claras e de tons pasteis mais leves, ou seja, objetos pesados e grandes pintados com cores claras dão a sensação de serem mais leves e vice e versa. Objetos grandes devem ser pintados com cores quentes e escuras se quisermos dar a impressão de serem mais baixos e de cores claras para parecerem mais altos.

 

No volume

 

Cores claras aumentam o tamanho aparente do espaço, assim como cores frias e estampas pequenas. O contrário acontece com as cores escuras e quentes que diminuem o espaço aparente.

 

 

 

Na temperatura

 

A cor tem o poder de sugerir calor ou frio ao ambiente, como a cor vermelha dá a sensação de maior calor que a cor azul. (Preto aquece e o branco esfria).

 

Na luminosidade

 

A tinta com um numero maior de colorante branco dá a impressão de estar maior iluminada que aquela que se utiliza um maior numero de colorante na cor preta.

 

 5.3 O EFEITO E O SENTIDO DE CADA COR

 

COR                                      Vermelha                   -                      Cor quente               

REFLEXÃO                          25%

ILUSÃO FÍSICA                   Aumento de volume peso e calor.

EFEITO PSICOLÓGICO     Estimulante, domínio, Calor.

REAÇÕES MENTAIS         Ativação, Perturbação.

OBSERVAÇÕES                Aumento da pressão arterial.

 

COR                                      Azul                            -                      Cor fria                     

REFLEXÃO                          25%

ILUSÃO FÍSICA                   Diminuição do peso, refrescante, sensação de distância.

EFEITO PSICOLÓGICO     Sensação de repouso, vitalizante, calma.

REAÇÕES MENTAIS         Prontidão, irradiação.

OBSERVAÇÕES                Afasta os insetos.

 

 

COR                                      Amarelo                     -                      Cor quente   

REFLEXÃO                          25%

ILUSÃO FÍSICA                   Impressão de calor e aumento de volume.

EFEITO PSICOLÓGICO     Estimula o sistema nervoso, anima a ação.

REAÇÕES MENTAIS         Prontidão, irradiação.

OBSERVAÇÕES                Afasta os insetos saudável.

 

COR                                      Laranja                      -                      Cor quente

REFLEXÃO                          25%

ILUSÃO FÍSICA                   Impressão de calor e aumento de volume.

EFEITO PSICOLÓGICO     Fortalece, provoca bem estar, alegria, energizante excitante.

REAÇÕES MENTAIS         Criatividade e comunicação.

OBSERVAÇÕES                Cansa a vista.

 

COR                                      Verde                         -                      Cor fria

REFLEXÃO                          35%

ILUSÃO FÍSICA                   Impressão de leveza, vida e distância.

EFEITO PSICOLÓGICO     Sensação de alívio, calma e quietude.

REAÇÕES MENTAIS         Receptividade e crescimento.

OBSERVAÇÕES                Efeito deprimente se utilizado sozinho.

 

COR                                      Violeta                       -                      Cor fria

REFLEXÃO                          25%

ILUSÃO FÍSICA                   Cor fria, diminui o volume.

EFEITO PSICOLÓGICO     Adormece, causa melancolia, devoção e respeito.

REAÇÕES MENTAIS         Meditação e magia.

OBSERVAÇÕES                Vantajosa para pessoas nervosas.

 

COR                                      Preta                          -                      Cor neutra

REFLEXÃO                          5%

ILUSÃO FÍSICA                   Aumento de calor e peso, diminui o volume.

EFEITO PSICOLÓGICO     Sensação de repouso, deprime e causa medo.

REAÇÕES MENTAIS         Desconhecimento e vácuo.

OBSERVAÇÕES                Absorve todos os raios de luz.

 

COR                                      Branca                       -                      Cor neutra

REFLEXÃO                          85%

ILUSÃO FÍSICA                   Aumento o volume.

EFEITO PSICOLÓGICO     Cansaço, brilho, frieza.

REAÇÕES MENTAIS         Limpeza e pureza.

OBSERVAÇÕES                Reflete o calor.

 

COR                                      Cinza                         -                      Cor neutra

REFLEXÃO                          50%

ILUSÃO FÍSICA                   Sensação de sujeira e nublado.

EFEITO PSICOLÓGICO     Obscuridade e infelicidade.

REAÇÕES MENTAIS         Negatividade, indecisão e submissão.

OBSERVAÇÕES                Deprime.

 

O vermelho

 

É a cor que fornece ao nosso corpo energia e vitalidade. A vitalidade física do corpo depende da entrada correta e suficiente do raio vermelho, particularmente no que se concerne às funções restauradoras, procriadoras e criadoras. Esta cor aumenta a temperatura, através da percepção psicológica.

 

É a cor para os corajosos e ousados, para quem quer trazer calor, intensidade e paixão ao seu redor. Enquanto um ambiente abundantemente vermelho evoca o drama, a vitalidade e a energia, os tons próximos como o rosa-bebê e o terracota proporcionam variações mais brandas, os quais também são da família do vermelho. Essas cores são incrivelmente versáteis, sendo uma das mais poderosas da paleta de cores. O ser humano precisa de um pouco de vermelho para a motivação.

 

O vermelho sempre passa a impressão de proximidade e devido a isso dificilmente serve de pano de fundo, pois ele sempre se destaca. Como tonalidade de contraste, o amarelo avermelhado pode ser muito indicado, assim como o verde a sua cor complementar. Já o azul, o turquesa e o próprio branco esfriam o vermelho. Esta cor tem como finalidade estimular o apetite, a paixão, a irritação e até a ira, elevar a pressão arterial e principalmente por ter uma simbologia com a cor da vida - o sangue.

 

As luzes vermelhas se bem dosadas dão um toque suave e quente a um espaço, dando-lhe um brilho aconchegante. O vermelho estimula qualquer ambiente, tornando-o mais quente e convidativo.

 

O azul

 

É uma cor mágica e revitalizante, calma, inspiradora, fresca e fria. A tranqüilidade do azul pálido evoca o céu, trazendo a sensação de paz e imensidão.

 

O azul água traz vitalidade, energia, estímulo e uma sensação refrescante.

 

O azul marinho e o azul jeans são verdadeiros clássicos atemporais.

 

O azul é uma cor que agrada a homens e mulheres, não é uma cor masculina como se imagina. Esta é uma cor terapêutica, que relaxa e acalma, é associada a lealdade, a integridade, ao respeito, a responsabilidade e a autoridade. Ele ajuda a diminuir a violência e as pichações em locais públicos.

 

O azul é utilizado nos hospitais, nas salas de espera, para acalmar os pacientes e familiares destes e uma cor quente é utilizada como contraste para não induzir a depressão.

 

O azul em demasia induz a indiferença e retração, baixando a pressão sanguínea, reduzindo o stress e a tensão, podendo também trazer sono, não sendo indicado para salas de aula e sala de reuniões. É uma cor que simboliza do divino em função do céu e do mar. É de combinações fáceis e eternas. Por isso o ditado popular diz: “Está tudo azul...”.

 

A cor de contraste usada com o azul é a sua complementar o laranja.

 

As cores amarelo, verde, vermelho, rosa, pêssego, salmão e o lilás também transmitem harmonia quando usadas com a cor em questão.

 

O amarelo

 

Esta cor é animadora, descomprometida, alegre, eleva o espírito e traz sensação de alegria. É a cor mais luminosa do espectro, quanto mais puro e intenso o amarelo será mais luminoso e vibrante.É associado com a luz do sol, simboliza a luz e representa a luz espiritual, assim, todo ser humano precisa da vibração desta cor. É uma cor quente e expansiva, abrindo a mente trazendo novas idéias. Pesquisas revelam que esta cor auxilia as pessoas no aprendizado, devido à sua vibração.

 

Esta cor expande o ambiente, porém deve ser usada com cuidado para não produzir cansaço visual e um aspecto chocante.

 

Para o contraste o azul é o mais indicado, o branco, tons de madeira, violeta e verde também podem ser utilizados.

 

A mistura desta pigmentação com o branco e o preto gera cores importantes que são os cremes e beges muito utilizados na construção civil.

O laranja

 

É a cor da entrega, do se dar aos outros e isto se processa de maneira instintiva.

 

É uma cor muito apreciada nas tonalidades mais fracas como o pêssego, salmão, e a cor da laranja.

 

Os tons mais pálidos do laranja relaxam e faz com que o ser humano se entregue á sua própria personalidade, sendo aquilo que realmente é. Estas tonalidades podem proporcionar uma atmosfera agradável, um clima de descontração e alegria, por este motivo é uma cor indicada para lanchonetes e espaços para crianças.

 

Para o contraste o azul, sendo sua cor complementar é o mais indicado.

 

A mistura de sua pigmentação com o preto gera a cor marrom que deve ser usada com cautela para não induzir á depressão.

 

O verde

 

É a imagem da natureza, simbolizando a vida, a frescura e a harmonia. Ao acrescenta-lo ao ambiente, se traz sensação revigorante, que é proposta pelas folhas de uma árvore.

 

É a cor mais presente em nossas vidas, por isso é a que traz mais sensibilidade. É uma cor de alta luminosidade, passando no meio do espectro visível. É uma cor de alta luminosidade.

 

Os verdes amarelados são vibrantes e energéticos embora os tons de verde mais puros induzem à calma e ao relaxamento. Os verdes são mais versáteis e fáceis de se fazer combinações com sucesso. Eles possuem a propriedade de aliviar o stress e equilibrar o emocional, com propriedades terapeutas da cura.

 

Não é recomendado utilizar o verde sozinho, porque ele pode ser extenuante e pode criar um ambiente estático.

 

Para as cores de contraste pode-se usar o azul, o amarelo, o rosa, o pêssego, salmão e a complementar o vermelho.

 

Por representar o meio ambiente o verde irradia energia e é essencial na vida do ser humano, que sente com esta cor maior afetuosidade.

 

O violeta

 

Esta cor é rica em possibilidade de decoração e estilização.

 

É a cor com o menor comprimento de ondas e a mais rápida vibração do espectro visível, por isso, sua luz é purificante e calma. É recomendada para os interiores, que revestidos com o lilás e seus tons transmite grande efeito em nossas emoções. É uma cor etérea e sua utilização deve ser feita em conjunto com outras cores, pois em demasia esta cor poderá causar depressão. Assim não utilize o lilás como a cor principal de um ambiente, ela é uma cor que poderá causar um efeito de falta de base e desestimulante nas pessoas.

 

O púrpura deve ser usado em ambientes onde há muitas coisas belas e deve ser acompanhado do verde.

 

O magenta possui muito vermelho sendo assim uma cor viva, animadora, dramática e causa uma boa impressão no ambiente doméstico, especialmente se for amplo.

 

Esta família de cores foi símbolo da realeza na Europa.

 

As cores de contraste são as complementares o amarelo, o vermelho, o verde, o laranja, o rosa, o pêssego, o salmão dentre outras.

O Preto, o Branco e o Cinza

 

O preto, o Branco e o Cinza são cores básicas e neutras, assim indispensáveis na decoração.

 

A pigmentação do preto é utilizada para escurecer e a do branco é utilizada para clarear todas as cores. O preto e o branco se não utilizados adequadamente tornam o ambiente maçante e sem sofisticação. Estas duas cores formam o mais forte contraste dentre as cores. Estas cores nos fornecem uma grande ferramenta de jogo para a perspectiva que é o poder do branco de proporcionar o avanço de um determinado elemento e o preto de retração.

 

Quando combinado com as cores cremes, beges e dourado o preto torna-se pomposo e sofisticado; com o vermelho forma a quinta essência do estilo chinês e com o verde é intenso e masculino.

 

O preto utilizado com o amarelo provoca um efeito chamativo, desta maneira é utilizado em placas de alerta e em garagens. Combinado com os azuis ou púrpuras sempre tem resultados tristes, entediantes e sombrios.

 

O branco é mais fácil de harmonizar com qualquer cor, sendo a cor mais neutra do espectro. Esta cor acalma os tons quentes do vermelho, laranja e amarelo, aumenta a intensidade dos azuis, refresca os verdes, ilumina os púrpuras e purifica os neutros.

 

É importante em áreas de pouca luz natural, clareando o espaço. Nos ambientes muito iluminados pela luz natural, ou seja, ensolarados o branco se torna ofuscante.

 

O cinza é associado com o medo, por isso é aconselhado, a utilização desta cor com outras cores claras, coloridas e nunca sozinha.

 

Os metálicos e perolados

 

Estas cores dão brilho e chamam a atenção iluminando o ambiente, além de trazer um toque de sofisticação e requinte.

 

Os tons metálicos oferecem um aspecto moderno e aumentam o fluxo de energia benéfica, como se acredita no Feng Shui.

 

5.4 OS AMBIENTES E SUAS CORES

 

A fachada e entrada da casa expressam a comunicação com o mundo exterior e a sociedade. Quanto mais convidativa é a fachada maior será o convite para as pessoas, recursos e oportunidades. É importante analisar a combinação das cores de todas as esquadrias das janelas, das portas, das paredes, dos portões, dos telhados e todos os elementos da fachada.

 

  • A sala de estar é a parte pública da casa onde se recebe as visitas ou a área de lazer da família.

 

Cores indicadas:

 

O vermelho, laranja e o amarelo são ideais para estimular a conversação e descontração. O branco proporciona maior luminosidade e os tons cremes proporcionam maior sofisticação e charme.

 

·        A cozinha e sala de jantar têm função de manter a nossa saúde, pois é o local onde cozinhamos e nos alimentamos.

Cores indicadas:

 

O vermelho, laranja e amarelo, na sala de jantar, podem ser utilizados para estimular o apetite e a conversação. A cozinha é uma área de trabalho onde estão presentes a água e o fogo. Os tons de azul e verde com detalhes em cores quentes são recomendados, assim como os neutros, grafites e brancos combinados com peças de inox e latão.

 

  • Os dormitórios são o local de descanso, assim devem estar longe dos barulhos e stress do mundo exterior.

 

Cores indicadas:

 

Os verdes e azuis são ótimos para os quartos quando utilizados em tons pasteis, pois relaxam e acalmam. Os tons de rosa são femininos e naturais. O vermelho, laranja e amarelo não são muito recomendados por serem cores excitantes. Os violetas podem deixar o quarto muito frio e calmo. Os neutros cinza e preto podem deprimir e o branco, em certas versões, pode ser confortável e assim aconselhável. (Versão off-whites)

 

  • O banheiro é o espaço privado e intimo onde se relaxa e se faz a energização. Este local é associado com a personalidade interior e com o status financeiro.

 

Cores indicadas:

 

Os tons pasteis de verde, azul (para relaxar) e amarelo ou laranja (para energizar) são os mais recomendados, combinados com o branco e os metais.

 

  • O escritório necessita ter um ar de liberdade e criatividade e assim ser um espaço de oportunidades, com conforto, praticidade e comodidade.

 

Cores indicadas:

 

As cores neutras combinadas com pasteis para estimular a concentração e a criatividade, são as mais aconselhadas.

 

É importante concluir que as cores influenciam na construção civil, dando vida aos ambientes, motivando e tornando as pessoas mais produtivas no trabalho. A utilização da cor inadequada pode causar stress e nervosismo nas pessoas usuárias deste espaço. Assim, a escolha da cor adequada para cada ambiente é muito importante para a boa utilização e bem estar do ser humano.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 

 

NBR-11702 – Tintas para Edificações não industriais;

NBR-13245 – Execução de pinturas em edificações não industriais;

NBR-6312 – Inspeção visual de embalagens contendo tintas, vernizes e produtos afins;

NBR-5840 – Exame prévio e preparação para ensaios de amostras de tintas e vernizes;

NBR-5804 – Pigmento – Ensaio de poder de coberto;

NBR-5803 – Pigmento – Ensaio de poder de cobertura;

NBR-7351 – Tintas – Resistência à umidade relativa de 100%

 

TOMAZ, Ercio. Tecnologia, Gerenciamento e Qualidade na Construção. São Paulo: Editora Pini, Julho 2001;

 

YAZIG, Walid. A Técnica de Edificar. São Paulo: Pini: SINDUSCON SP, Janeiro 2001

 

Sistema Tintométrico e Harmonização de cores. Belo Horizonte:

cpscolorRainbow-QT VersãoI, Julho 2001 – Apostila.

 

BEMA, Tintas. Tecnologia de Pintura Imobiliária. Belo Horizonte: Bema Tintas, 2000.

 

GUIMARÃES, Norma. Cromoterapia. Belo Horizonte,1995 – Apostila.